segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

[Sinto Meu Macio Travesseiro De Penas De Anjo]





[Sinto Meu Macio Travesseiro De Penas De Anjo]




Trago no olhar o brilho da estrela cintilante
Traço fronteiras de luz ao luar
Colhendo sonhos para tatuar na alma
Um poema...uma poesia


Uma lágrima que [teimosa] insiste em brotar 
Do [meu] olhar perdido
Na névoa que se esfuma ao longe
E repousa nas sombras serenas


Temo ter perdido a estrelas
Fragilidade [in]tensa]
Caio no abismo de mim
[Hoje...a noite não tem luar]


Acordo entre uma estrela e outra
[Sinto meu macio travesseiro de penas de anjo]
Acariciar meu rosto junto do teu [doce] olhar a me cuidar
[Respiro no céu do teu amar]
Onde a vida se revela pintada em aquarela.



p.s




As estrelinhas?
Sim! Eu as quero!
[Todas!]






Por Ro Fontana



Aos 07 dias de fevereiro de 2015

[...]




[ ♥______omnia vincit amor ¿ ? ]





4 comentários:

  1. Querida amiga

    São belas as palavras
    que nascem da intensidade
    dos sentimentos...
    Devias escrever mais...
    O mundo precisa de palavras
    intensas,
    sejam elas alegres
    ou tristes...

    Que a vida lhe traga a cada manhã,
    o maravilhoso perfume da alegria...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aluisio querido!
      Obrigada pelo seu carinho, sempre!
      Um beijinho!


      *-*

      Excluir
  2. Bom dia Ro..
    Lindo poema..alias, a arte de criar esta em sua essência..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Edy!
      Obrigada doce anjo [mala] rss
      Beijinhos!

      Excluir