terça-feira, 19 de junho de 2012

[Precisando Da Paz Que Há Na Ponta Dos Teus Dedos.]




















Perfume leve e envolvente
Sonhos salpicados de fantasias
Inventados nos momentos de calma
Frase roubada [dos poemas tortos que escrevo.]


Canções improvisadas sobre amores , anjos e bailarinas
Com palavras decoradas de um livro emprestado
Toco estrelas, céu e mar
Num infinito de amores que mal cabem em mim.


Nas horas tantas que perco
Me restam respostas desconcertantes
Adiando minha alegria
Restam [também] palavras soltas, repetidas e vazias.


Dores totalmente [in]suportáveis
De um tempo em que eu ainda nem sabia que o amor sangrava
E me sinto frágil...
[Precisando da paz [leve e eterna] que há na ponta dos teus dedos.]



Por Ro

*Aos 19 dias de junho de 2012
* Saudade mais estranha....
* Sentindo [!]








p.s

Cómo olvidar que volabas...


2 comentários:

  1. Querida amiga

    Quando as palavras
    encontram sentimentos
    que fazem com que elas
    encontrem seus sentidos,
    nossa vida se enfeita
    com as cores da esperança.

    Obrigado por sua amizade.

    Aluísio Cavalcante Jr.

    ResponderExcluir